segunda-feira, 29 de junho de 2009

Bruno Gouveia bate-papo com a gente



Por: Ricardo Bello
Foto: Reprodução/ Internet

Sucesso em todo o Brasil, Bruno Gouveia, vocalista do Biquini Cavadão é o entrevistado do Revista de Cultura. O artista, que é mineiro de Ituiutaba, nos fala de música,vida em família, horas de lazer e muito mais. Dê só uma olhada:

Revista de Cultura - Se você não fosse músico, que profissão seguiria?

Bruno Gouveia -Fazia faculdade de engenharia com ênfase em eletrônica e computação. Sempre gostei disso, embora não saiba dizer se exerceria a profissão.

Revista de Cultura - Que tipo de música você gosta de ouvir em casa?

Bruno Gouveia - De tudo um pouco. Sério. Minhas últimas aquisições foram o novo do Titãs e um cd com prelúdios de Villa-Lobos para violão.

Revista de Cultura - O que gosta de fazer nas horas vagas?

Bruno Gouveia - Brincar com meu filho Gabriel, de dez meses.

Revista de Cultura - Gosta de cinema, teatro? Costuma ir quando não esta fazendo shows pelo Brasil afora?

Bruno Gouveia - Não tenho ido muito a ambos. Aliás, quando viajo é que surge a chance de ir ao cinema, pois em casa, com bebê, fica difícil.

Revista de Cultura - Na sua família há outros artistas?

Bruno Gouveia - Primos de segundo grau: Ricardo Barreto (Blitz) e Regina Casé

Revista de Cultura - Tem algum ídolo na música?

Bruno Gouveia - Vários. Freddie Mercury, Andy Partridge, Caetano, Roberto Carlos... são apenas alguns nomes.

Revista de Cultura - Tem alguma música que você gostaria muito de gravar e ainda não teve oportunidade?

Bruno Gouveia - A lista é imensa. Sempre penso em algumas, como Pro's Que Estão Em Casa, do Hojerizah, banda carioca da década de 80. Tocávamos esta no show e quase a gravamos em um de nossos discos, mas acabou ficando pra depois e depois e depois...

Revista de Cultura - Já aconteceu alguma situação engraçada em show? Já caiu no palco ou coisa parecida?

Bruno Gouveia - Tombos fazem parte do meu show. Já tirei lascas de alguns dentes também. Mas isto não acho engraçado.

Revista de Cultura - Sua família deu apoio quando você decidiu seguir a carreira de músico?

Bruno Gouveia - Sim. Quando disse a minha mãe que iria me dedicar ao Biquini em prol de uma carreira mais estável, ela me perguntou: "desde quanto ser engenheiro neste País é sinônimo de estabilidade?". Foi um baita apoio!

Revista de Cultura - O espaço é seu. Mande um abraço para alguém, uma mensagem...enfim, fique à vontade...

Bruno Gouveia - Agradeço o carinho dos fãs, ontem, hoje e sempre. Qualquer dúvida a mais podem procurar no site do Biquini www.biquini.com.br. Valeu Ricardo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário