segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Lucas Avelar Lança Disco em BH

                                                        Foto:  Anna Lara

Lucas se apresenta no Teatro Bradesco
Show de lançamento do novo CD do compositor mineiro terá participações
de Márcia Castro e BiD

Nome emergente da nova geração de compositores mineiros, Lucas Avelar apresenta mais uma leva de músicas autorais no  segundo disco de sua carreira, “Coisa de Cinema”, que vem a público em show marcado para o dia  5 de setembro (quinta-feira), às 20h30, no Teatro Bradesco (Rua da Bahia, 2244 – Lourdes) dentro do Projeto Mistura Minas.

A banda do show é formada pelos músicos Felipe Fantoni [direção musical e baixos], Helton Lima [bateria], Pedro Cassini [guitarra], Richard Neves [teclados], Leonardo Brasilino [trombone], Juventino Dias [trompete] e Lucas Avelar [voz, violões e guitarra].

Em 2008 Lucas lançou “O Bicho que mora na gente”, produzido por Flávio Henrique, e ganhou um espaço de prestígio na cena cultural mineira, participando de vários projetos (como o Conexão Vivo, Música Minas etc) e ampliando seu trabalho.

O novo disco de Lucas Avelar [“Coisa de Cinema”, gravado em abril de 2013] é recheado de música pop, letras leves e urbanas e uma pegada dançante. Conta com a participação luxuosa da cantora baiana Márcia Castro [com quem divide os vocais de um frevo moderno – “Ideal”], com músicos impecáveis e a produção do conceituado BiD [que tem no currículo artistas como Chico Science, Seu Jorge, Mariana Aydar etc], alcançando unidade e qualidade sonora.

O disco foi concebido de forma rápida. Tudo foi gravado em abril de 2013, no estúdio do produtor, em São Paulo. O título dado ao álbum é bem menos a sétima arte em si e bem mais a conhecida expressão “Coisa de Cinema”, referente a situações e fatos da vida cotidiana que se desdobram como mágica diante dos olhos. Como diz o verso do refrão “Passa como um filme, mas sem final, sem final”. E assim o disco fica, sem fim, na memória de quem ouve.

O trabalho é resultado de diversas composições autorais feitas no último ano: “Nosso Tempo” abre o CD como umas das canções mais radiofônicas, falando com leveza sobre um relacionamento e o tempo para lidar com acertos e erros entre duas pessoas – além do refrão que grita um dos maiores desejos da atualidade: “Temos todo tempo do mundo!”“Raio” é uma música de imenso potencial, tem uma levada mais moderna e suave, e aborda o reino de possibilidades num imaginário coletivo/afetivo. “Ar” tem pegada disco  e apresenta o excelente peso dos sopros, tirando o fôlego com seu ritmo dançante. Reflete sobre a paciência necessária para superar desafios e alcançar objetivos. “Força Bruta” mantém o astral no auge, com um samba-rock no estilo anos 70 – Jorge Ben, Trio Mocotó etc. Composta com otimismo a respeito de tantas desigualdades e injustiças, marca pelo forte refrão, pelos sopros e coro. “Coragem” é a quinta canção do disco e traz um rock – romântico! – que mais parece uma mistura de Beatles e Erasmo Carlos, com a história de alguém que vai atrás daquilo que quer e que não teme ser feliz. “Ideal” tem participação especial de Márcia Castro; é um frevo moderno [com batida meio funk, meio tecnobrega, e 100% pop!] e fala exatamente de ideais, com poesia e bom humor.  “Coisa de Cinema” dá nome ao álbum. A música cativa pela letra e pela harmonia, tão simples – apesar de um pouco bossa-novista no refrão. O Dobro – um violão de aço – é quem mais provoca atração e movimento na canção. A balada“Aguardando você”, única no disco, pode encabeçar uma das músicas de maior apelo popular. Minimalista, tem percussões momentâneas e intensas, guitarras livres e esvoaçantes, um violão saído de Blackbird e um refrão que gruda. “Porventura” é a música mais antiga do disco [pouco mais de um ano], no estilo anos 80, e levanta o astral novamente para o romantismo e a esperança, “há um alguém na multidão que sabe quanto pesa um coração / há quem se esconda de você, mas você o descobre na sua mão”“A Chave” fecha o disco disposta ao entusiasmo, com uma pequena letra-mantra num clima dançante [groovin como Tim Maia e Marvin Gaye]. Original e pacífica, a letra não parece alheia aos abismos e problemas do homem comum, mas permite o retrato da simplicidade daquilo que pode acolher quem quer um pouco de felicidade.

Ficha técnica do disco “Coisa de Cinema”
Produzido por BiD para soulcity:produssas
Direção Musical e Arranjos: Lucas Avelar e BiD
Arranjos de Metais: Maestro Tiquinho
Engenheiros de gravação: Evaldo Luna, BiD e Fábio Gomes
Mixagem: Gustavo Lenza [Estúdio La Nave]
Masterização: Felipe Tchauer [Red Traxx Music]
Gravado nos estúdios da soulcity:produssas [São Paulo-SP], em abril de 2013.
Projeto gráfico – Samel de Angelis
Fotos/Concepção – Anna lara e Amanda Mendonça
Produção executiva – Casulo Cultura
Gestão administrativa: Clac Gestão Eireli

Lucas Avelar – Show de lançamento do disco “Coisa de Cinema”
Participações especiais de Márcia Castro e BiD.
Local: Teatro Bradesco (Rua da Bahia, 2244 – Lourdes)
Data: 5 de setembro de 2013 (quinta-feira)
Horário: 20h30
Classificação: livre
Ingressos: R$ 30 (inteira) -  R$ 15 (meia)

Nenhum comentário:

Postar um comentário