quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Livro “Jardins da arara de lear” traz a surpreendente história do maior mistério da Ornitologia mundial em pleno sertão brasileiro

Publicação será lançada em São Paulo e Belo Horizonte
Foto: João Marcos Rosa
Um dos maiores enigmas da Biologia mundial estava no Brasil, mais precisamente no sertão da Bahia, bem próximo à quase mitológica cidade de Canudos. Foi lá, que em 1979, o naturalista alemão Helmut Sick encontrou a arara-azul-de-lear (Anodorynchus leari), uma espécie que passou misteriosa por 150 anos. Uma história repleta de tentativas frustradas de descoberta, expedições pelos grotões do Brasil e principalmente, marcada pela resistência dos sertanejos.

O livro “Jardins da arara de lear”, do fotógrafo João Marcos Rosa e do escritor Gustavo Nolasco, ambos do coletivo NITRO, refaz a saga de Sick e conta a história das mulheres e homens sertanejos, de sangue ou alma, que lutam pela preservação dessa espécie ainda em perigo de extinção.

Por quase um ano, João e Gustavo percorreram toda a região do sertão da Bahia, onde o alemão encontrou as primeiras pistas da existência da arara-azul-de-lear. Passaram pelos paredões e grotões da caatinga nas cidades de Jereamoabo, Euclides da Cunha e Canudos. Percorreram também o temido Raso da Catarina, uma das áreas mais áridas do Brasil. Trouxeram imagens e histórias de personagens sertanejos que ajudaram e ainda lutam a preservar essa espécie única da fauna brasileira.

O fotógrafo e diretor Bruno Magalhães acompanhou a dupla de autores durante o trabalho de pesquisa. Ele vem trabalhando para transformar o projeto em um filme também. 

“Folheando as páginas do livro, percebo como a busca incansável por imagens do João e o desvendar de histórias épicas do Gustavo revelam uma causa muito maior do que a luta em prol de uma espécie em risco de extinção. Enxergo nesta obra um desejo de se preservar cultura, costumes e ideais. Tudo que a sobrevivência desta arara nordestina envolve. Narrativas sertanejas de luta e resistência, que, mesmo ásperas e duras, soam encantadoras e inspiradoras”, relata Bruno.

O lançamento do livro acontece em São Paulo, no dia 21 de setembro, às 19 horas, na DOC Galeria (Rua Aspicuelta, 145 – Vila Madalena). Em Belo Horizonte, está marcado para o dia 07 de outubro, às 10 horas, na Livraria Scriptum (Rua Fernandes Tourinho, 99 – Savassi). O projeto foi uma iniciativa do projeto Jardins da Arara de Lear, que vem trabalhando pela preservação e ampliação das áreas de alimentação da arara-azul-de-lear na caatinga.

João e Gustavo são mineiros e integram o coletivo de histórias visuais NITRO, que completa 15 anos de estrada em 2018. João é fotógrafo, jornalista, colaborador da National Geographic. Autor de outros dois livros: Harpia (2010) e Arara-azul Carajás (2015). Gustavo é de Mariana/MG. Autor de outros dois livros: Os Chicos (2012) e Nossa Sala de Troféus (2016).

A HISTÓRIA

A busca pela arara-azul-de-lear era uma obsessão de Sick desde quando chegou ao Brasil no anos de 1940, sendo preso político durante a II Guerra Mundial. Libertado após o fim da guerra, resolveu permanecer no país e continuar a busca pela solução do enigma.

Quando já estava doente e sentindo ser sua última de dezenas de tentativas realizadas pelo interior brasileiro, Sick descobriu o habitat daquele espécie na caatinga do sertão baiano, que até então, só havia sido vista em cativeiro e num misterioso desenho feito em 1830, na Inglaterra, pelo então ilustrador Edward Lear.

O fim do enigma trouxe um misto de alegria e apreensão, já que ao se descobrir a arara, percebeu-se que ela estava “quase morta”, com apenas 21 aves e à beira da extinção. Mas sertaneja que é, a arara-azul-de-lear resistiu.


No livro, João e Gustavo misturam fotografia, poesia e vivência dura de campo para relatar de forma inédita a história visual da arara-azul-de-lear, dos cientistas e principalmente dos sertanejos que lutam pela continuidade da vida de animal tão brasileiro, sertanejo e resistente.

A ideia se recontar a saga de Helmut Sick e da “quase morte” da espécie surgiu da batalha e dedicação do projeto Jardins da Arara de Lear, que vem lutando pela preservação e ampliação das áreas de alimentação deste animal no sertão baiano.

Lançamento do livro “Jardins da arara de lear”
Data: 21 de setembro 2017 (quinta-feira)
Horário: 19 horas

Data: 07 de outubro 2017 (sábado)
Horário: 10 horas

Nenhum comentário:

Postar um comentário