terça-feira, 13 de janeiro de 2015

"Toda Nudez Será Castigada" Volta de Cartaz na Campanha de Popularização do Teatro e da Dança

Sucesso de público e de mídia, o premiado espetáculo Toda Nudez Será Castigada retorna aos palcos de Belo Horizonte com sessões na programação da 41ª Campanha de Popularização Teatro e Dança. As apresentações serão no Teatro Francisco Nunes (Av. Afonso Pena, Parque Municipal, S/N), de quinta a sábado, às 20h30, e aos domingos às 19h30, entre os dias 15 e 25 de janeiro.
Dirigido por Kalluh Araujo, o espetáculo é um clássico e uma das peças mais amadas de Nelson Rodrigues. Foi vencedor de 3 prêmios no 1º Prêmio Copasa Sinparc: Melhor Direção, Melhor Ator Coadjuvante e Melhor Atriz Coadjuvante. 
Com realização e produção da Cia Arlecchino de Teatro e do Instituto João Ayres, Toda Nudez será Castigada narra a história de amor do rico viúvo Herculano com a prostituta Geni,  que se apaixona pelo filho dele, Serginho. A história do complicado e obsessivo casal vai se “desnudando” aos poucos, encantando o público com a genialidade da trama e o impacto visual proposto pela cenografia.
No elenco, atores experientes e já consagrados no teatro mineiro: Amaury Reis, Cléo Carmona, Paulo Rezende, Juçara Costa, Angélica Pedrosa, Jacqueline Francisco, Leandro Ramos e Bruno Leonel.
Toda Nudez Será Castigada
Autor: Nelson Rodrigues
Direção: Kalluh Araujo
Local: Teatro Francisco Nunes -  Av. Afonso Pena, Parque Municipal, S/N, Centro.
De 15 a 25/01/2015 (quinta a domingo)
Horários:  de quinta a sábado às 20h30, no domingo às 19h
Ingressos: R$ 15,00

Vendas: Postos do Sinparc
Posto Mercado das Flores
Av. Afonso Pena,1055, esquina com Rua da Bahia - Centro - Belo Horizonte/MG 31 3272-7487
Posto FNAC
BH Shopping 4º piso
Produção: Cia Arlecchino de Teatro e Instituto João Ayres

Ficha Técnica
Diretor / Iluminação/ Cenário / Figurino: Kalluh Araujo
Assistente de Direção: Luiz De Filippo
Diretor de Produção: Airam Resende Boa Morte
Produção Executiva: Tania de Filippo
Montagem de palco: Ivanir Avelar
Cenotécnico:  Felicio Alves – Cia Cenográfica
Fotografia: Alexandre Mota
Elenco: Amaury Reis, Cléo Carmona, Paulo Rezende, Juçara Costa, Angélica Pedrosa, Jacqueline Francisco, Leandro Ramos, Bruno Leonel.


A montagem
Em “Toda Nudez Será Castigada”, o autor faz uma crítica à família de classe média brasileira. Ele expõe as degradações e taras de uma sociedade hipócrita.
Neste texto, a família é apenas uma referência esgarçada, e seus valores morais são meros adereços superficiais. O que Nelson sugere é uma alegoria da tragédia das sociedades burguesas. O efeito corrosivo da peça mostra-se ainda mais virulento quando é apresentado o comportamento conservador e moralista dos personagens.
A primeira montagem da Cia. “A Mulher sem Pecado”, também escrita por Nelson e dirigida por Kalluh recebeu vários prêmios: Em 2011 a peça recebeu o Prêmio SINPARC/USIMINAS nas categorias “Melhor Ator” (Paulo Rezende), “Melhor Figurino” e “Melhor Iluminação” (Kalluh Araújo). Participou do FIT-BH/2012, do Festival Internacional Porto Alegre em Cena/2012 e do Janeiro dos Grandes Espetáculos/2012, em Pernambuco. O espetáculo foi premiado pela FUNARTE no evento “Agosto de Nélson” comemorando seu centenário, realizado no Rio de Janeiro, no Teatro Glauce Rocha, em agosto de 2012. No mesmo ano, foi mais uma vez selecionado pela FUNARTE para representar o teatro mineiro no Ano Brasil Portugal maio de 2013, na cidade do Porto, apresentando-se no Teatro Nacional São João.
Cia Arlecchino

Nasceu em 2010 do encontro entre o diretor Kalluh Araújo com o ator Paulo Rezende. Os dois tinham aspirações em comum, no sentido de fazer um teatro de pesquisa, tendo como pontos primordiais uma dramaturgia de qualidade e a valorização do ator. Para tanto, a companhia optou pela montagem de “A Mulher sem Pecado”, primeiro texto escrito por Nelson Rodrigues, dramaturgo que revolucionou o teatro brasileiro. Na sequência, veio a montagem de “Toda Nudez Será Castigada”, também de Nelson Rodrigues, destacada montagem com grande elenco e protagonizada por Amauri Reis, Cleo Carmona e Paulo Rezende. Depois, “Fala Baixo Senão Eu Grito”, clássico do teatro contemporâneo de Leilah Assumpção, dirigida por Kalluh Araújo. Na sequência, a Cia Arlecchino estreou o musical “Samba, Amor e Malandragem”, também dirigida por Kalluh Araujo  e este ano estreou o classico Branca de Neve e os Sete Anões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário