terça-feira, 7 de outubro de 2014

Oi FUTURO APRESENTA A EXPOSIÇÃO INÉDITA DE NIURA BELLAVINHA

Niura mostra seu trabalho em BH
Foto:Shirley Fragas
Com a proposta de apresentar um panorama conceitual de sua obra, que trafega por diversas possibilidades de pintura, Niura Bellavinha traz para Belo Horizonte sua mais recente exposição “Em torno da Luz”, onde utiliza a fotografia, o filme e a performance como ferramentas além de pincel e tinta.  A partir do dia 14 de outubro, até o dia 14 de dezembro, o Oi Futuro será palco dessa inédita mostra na capital, que reúne curtas e médias metragens, além de objetos, pinturas e fragmentos sob a temática: natureza em movimento.

Dividida em dois segmentos, a exposição propõe um mapeamento das obras como uma importante proposta para a arte do século XXI. O primeiro, é formado por um conjunto de obras antológicas que apresentam diferentes olhares sobre a pintura. A cor e o tempo são sempre o foco central da pesquisa da artista. Bellavinha leva o pensamento pictórico para outros suportes. A pintura não tem limites – está na contraforma, na luz que varre a superfície, no movimento das águas, em uma pipa que tinge a nuvem de vermelho e retorna molhada de nuvem, no pigmento impregnando o ar, no reflexo e no espaço.

O segundo segmento apresenta um filme inédito, média-metragem, intitulado “NháNhá”. Projetado em uma parede de 15 metros, coloca às vistas do observador a pintura em processo. Rodado no interior do Brasil, com roteiro e direção de Niura Bellavinha, a nova obra volta a explorar situações onde o ar torna-se suporte do pigmento, no caso a poeira – enquanto pigmento seco – que junto com a luz, transforma-se em pintura efêmera, poética e trágica. As cidades mineiras ––desocupadas pela atuação de mineradoras – com suas paisagens atravessadas pela poeira, tornam-se suporte da artista, que desenvolve sua pintura a partir do tempo e da interação do movimento do ar com a luz. A pictórica Direção de Fotografia é de Alexandre Baxter. Com design de som primoroso, assinado por O Grivo, "o objeto visto é redimensionado e ressignificado: a trilha foi especialmente desenvolvida no intuito de revelar a sutileza do que está além da imagem vistam por meio dos ruídos e interferências", pontua Niura.

Em toda a atmosfera criada por Bellavinha, os curadores da exposição, Alberto Saraiva e Aïcha Barat, resumem o conceito da mostra: “Aqui se vê a importância da terra como pigmento, como cor e potência. Vê-se também a pintura, que não passa somente pelo gesto físico, passa pelo tempo e pelo olhar. Assim, o gesto pictórico resulta de uma parceria harmônica de fenômenos e forças naturais: vento, sol e chuva compõem uma pintura na poeira do mundo.”

Niura Bellavinha
Nascida em 1962, na cidade de Belo Horizonte, Niura Bellavinha, vive e trabalha entre o eixo Rio de Janeiro – BH. Seu trabalho é dedicado à pintura, instalação, performance e filmes. As experimentações sobre o uso da cor são o cerne de seu trabalho. Nas telas, Niura costuma sobrepor pinceladas largas verticais e horizontais, sobre as quais aplica depois jatos de água e ar comprimido de alta pressão, criando assim alguns espaços translúcidos ou revelando o branco da tela.
Gradua-se em Pinturana Escola Guignard, orientadapor Carlos Wolney e litografia orientada por Lotus Lobo. Entre 1980 e 1988, a artista é orientada, em seu ateliê por Amilcar de Castro, tendo participado do Núcleo Avançado de Artes, convidada pelo escultor. Estudou Gravura, Antropologia e Estética na UFMG, com Moacyr Laterzza e Sônia Viegas. Frequenta o Curso de doutorado em Escultura, PUC, Rio de Janeiro. No inicio dos anos de 1990, viaja a Europa e USA onde estuda e frequenta ateliers de artistas. Ao longo de sua trajetória,vem participando de diversas exposições coletivas e Bienais como São Paulo (1985 com Performance; 1994 quando apresenta pinturas em grandes dimensões); MERCOSUL (1997 pintura - instalação e 2005 Performance-vídeo); Cuenca, Equador, (1995, pintura); Biwako, Japão (2010 Pintura-Instalação e 2014 com o filme NháNhá). A artista coleciona participações em exposições no Brasil e no exterior, onde suas obras integram importantes acervos Institucionais e particulares.
Para o ano de 2015, Niura Bellavinha prepara uma interferência urbana inédita na cidade de Genebra e desenvolve desde agora o roteiro do seu primeiro longa-metragem, a ser rodado em 2016. 

Niura Bellavinha é representada no Brasil por Anita Schwartz Galeria.


Vernissage: 14 de outubro, terça-feira, às 19h30 – Oi Futuro (Av. Afonso Pena, 4001).

EM TORNO DA LUZ – Niura Bellavinha
Data: 14 de outubro a 14 de dezembro  

LocalOi Futuro (Av. Afonso Pena, 4001).

Horários: terça a sábado: 11h às 21h

Domingo: 11h às 19h
Informações:(31) 3229 2979

ENTRADA GRATUITA

Nenhum comentário:

Postar um comentário